De santo não têm nada…

Eleição era um período muito divertido na minha infância. Como qualquer criança, amaldiçoava a democracia por causa do horário eleitoral, que tirava vários dos meus programas favoritos do ar e me entediava em pleno horário nobre. Por outro lado, a escolha dos representantes trazia uma coisa de bom: a possibilidade de colecionar os santinhos com a propaganda dos candidatos aptos ao pleito.

Não sei qual a graça a gente via em juntar um bolo de papel com a cara de um monte de gente velha, feia e sem graça. Mas era ritual. Sempre que havia eleições saíamos acompanhados de uma caixa de sapatos velha e garimpávamos todo e qualquer panfleto que víssemos pela rua – não podia ser repetido e precisava estar em boas condições.

E a brincadeira virava competição. Acho que até ajudamos a manter a cidade mais limpa naqueles breves períodos – os garis podem agradecer pela ajuda. Eu e meus vizinhos passávamos tardes circulando pelas ruas ao entorno de onde morávamos a cata do mais legal, do mais diferente, dos coloridos, dos maiores… não havia discriminação.

No final das contas o número nem era tão importante assim. Óbvio que quem recolhesse mais podia se gabar com a vitória. Mas isso não representava muita coisa, porque a premiação era apenas o sentimento de superioridade. Passadas as eleições não fazia a mínima diferença para nós quem havia sido escolhido vereador ou prefeito, deputado ou presidente. Sequer havia bônus para quem possuísse um santinho com algum dos eleitos.

O que nos chamava atenção era o nome da propaganda: santinho. Já naquela época tínhamos noção da má fama da política brasileira e sabíamos que santinho não seria um nome adequado. Talvez capetinhas? Até hoje, aliás, ainda não entendo o porquê desta definição. Se há uma verdade para os cidadãos do país, nos mais extremos pontos do mapa, é a descrença e desconfiança nos representantes e futuros representantes da política nacional.

Passados mais de dez anos, não é mais tão comum ver esse material publicitário espalhado por aí. Menos diversão para crianças criativas como eu era e menos papel inútil poluindo as ruas da cidade. E a julgar que as eleições não elegem mais políticos, mas sim, palhaços, talvez a cata de panfletos pudesse ser mais divertida atualmente. Tiririca, Vampeta, Mulher Melão, Sergio Malandro e Ronaldo Ésper não me deixam mentir. Pena que isso é uma boa notícia apenas para o Francisco lá da infância, porque para o do futuro é um problema sério que o do presente ainda precisa enfrentar.

Anúncios

4 Respostas so far »

  1. 1

    fabih said,

    Adorei. Criança criativa mesmo 🙂 Pena que a gente tem que crescer e se revoltar com as brincadeiras que eles fazem com a gente. :* beijo chico.

  2. 2

    Ótimo o texto Chicó! Sério… é bem isso, antes nós achávamos que estava brincando com a política, mas é foda quando a gente cresce e percebe que os únicos palhaços aqui somos nós – mesmo não querendo, nem fazendo por onde.

    A maior prova da tua revolta é que depois de tudo isso tu virou o quê? o quê? Jornalista! 😀

  3. 3

    Rebs said,

    eu sou uma “desacreditada”. 😛
    (add aih o novo blog, chico). bjão!

  4. 4

    Tiago Medina said,

    Em algum momento subtraíram o ‘do paoco’ desses santinhos. Só pode, Chico, só pode…


Comment RSS · TrackBack URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: