Archive for Irlanda

Chegadas e Partidas

Em 2008 toda realidade vivida por mim durante 21 anos foi quebrada, não em um passe de mágica, mas em um passe de avião. Saí da minha pacata vida de cidadão pelotense rumo a mais pacata ainda vida de turista irlandês (sim, porque cidadão nunca! credo!).

dsc_0075

Morei “sozinho”. Ou quase isso…

Precisei lavar pratos. Precisei lavar minhas próprias roupas – sempre separando as claras das escuras! Precisei trabalhar arduamente para sustento do estômago e  recheio da carteira.  Precisei dar bronca em marmanjo a fim de ensiná-lo a  seguir a escala de limpeza do banheiro (e assim me tornei o orgulinho da mamãe). Enfim, precisei de muitas novas atitudes.

E como se isso não fosse o suficiente, tive a oportunidade de realizar um grande sonho: coloquei a mochila nas costas, o pé na estrada e parti pro mundo. Estive em lugares os quais nunca imaginei que visitaria. Conheci pessoas incríveis e aprendi muito com elas. Aprendi com as pessoas cretinas também, aliás.

dsc_0567

Não aproveitei tudo que pude, mas realizei tudo aquilo que sempre desejei.

Saí com um saldo super positivo desse ano tão incomum na minha vida. E mesmo assim, não me sinto completamente realizado. Sinto que o mundo tá aí pra ser desbravado, que as pessoas estão aí para serem conhecidas, e as culturas para serem experienciadas.

Quando voltei pro Brasil já estava com muitas saudades de todo aquele pequeno mundo que me cercou durante uma vida inteira. Não via a hora de chegar em casa! Foi dessa forma a qual percebi que não há nada como nosso lar. É sempre bom ter um canto de conforto pra onde sempre se possa voltar.

dsc_0009

Veja bem, VOLTAR! Verbo que pressupõe a partida. Hoje é isso que absorvo: não há nada no mundo melhor que o MEU mundo. Mas não há nada que nos faça perceber isso senão as diferentes realidades de outros mundos.

Os planos para o futuro são variados. Quero partir e aproveitar o que o mundo tem a me oferecer. Mas não quero um pacote fechado. Quero poder voltar e contribuir contando com aquilo que aprendi. Peço muito? Talvez. Mas é isso que eu quero e é disso que vou atrás. Nem que os tiros sejam dados em direção a todos os pontos cardeais.

Comments (2) »

Amém

Algumas pessoas dizem que blogueiro não tem mais nada que fazer além de ficar escrevendo inutilidades na internet.

Como diria Luka: tô nem aí, to nem aííí… Até por que tem gente que emprega energia em coisas muito piores:

Vamos orar baixinho, pufavô?

Pelo menos a coisa não é totalmente despropozitada. Compreendo a causa. Uma procissão já passou em frente a minha casa, em plena madrugada, gritando orando o “Pai Nosso”,  o “que estais no céu” e o “santificado seja o vosso nome”.

Mas foi uma única vez, então não tenho muito do que reclamar.

De qualquer forma virei FÃ, porque criar site pra causa foi O MÁXIMO! Já tinha ouvido falar do problema através daqueles spams, sabe? Mas saber que o movimento é concreto torna a piada ainda mais engraçada.

De resto, só tenho a rezar (baixinho) para que Deus ouça o apelo dos coitados.

(desculpa, não resisti! :p)

UPDATE: peloamordedeus, leiam os relatos. OS RELATOS:

Sou membro da igreja Ass. de Deus e graças a Deus no Bairro onde moro têm igrejas evangélicas de várias demoninações, não vejo e nem ouço falar de nenhuma reclamação inclusive de barulho até porque temos que respeitar o próximo e na Bíblia diz que devemos seguir a paz com todos.

Demoninações? Como assim, Bial? Que Igreja do Demo é essa? MEDO!

E acho tri quando as pessoas seguem tão a risca o que diz na Biblia. Será que se o padre ler uma frase do tipo “daí Jesus virou um tabefe em Judas e gritou: vós sois um cretino!” durante a missa, como se estivesse escrito no capítulo 9, versículo 200 (sei lá, whatever), será que neguinho ia descer o cacete?

Desculpa, mas eu nunca li a Bíblia e sei que, civilizados como somos nozes (?), devemos manter a paz entre os hombres. Dã!

E outra, se tá ESCRITO, não pode ler não? Tem que gritar? Será que os padres são surdos ou os fiés que não lavam as orelhas? Fica aí a questão!

Comments (5) »

Cidade das Malas

Dublin não é uma cidade como as outras. Aqui a temperatura é louca, o clima é insano e os habitantes uns malas. E mesmo com esses aspectos negativos, a cidade (talvez o país) intriga quem é de fora, e como o ímã atrai o metal, acaba atraindo muitos visitantes todos os dias.

A ambiguidade é clara: não são só os malas dos irlandeses que compõe a paisagem de Dublin, mas as muitas malas estrangeiras que acompanham seus donos viajantes.
Não confunda! O último caso é literal!

Tem aquele viajante a negócios, com sua mala discreta, equivalente aos seus dias de trabalho. Há os extravagantes, com suas malas coloridas e cheias de penduricalhos. E, claro, não poderiam faltar os verdadeiros mochileiros, que não carregam malas, mas que ainda assim se enquadram na categoria dos desbravadores urbanos.

Seja o tipo de mala, não importa. No centro da cidade sempre se vê diferentes pessoas carregando os mais diversos tipos de bagagens.

Não sei qual a realidade dos outros países Europeus portanto não posso comparar. Acredito que a situação seja semelhante. Mas o que se vê em Dublin chama atenção todo santo dia, porque é impossível sair na rua sem se ver alguém carregando uma mala de rodinhas.

Isso quando não é a própria mala carregando a outra.

Aliás, falando em mala… novidades não tão novas em breve! 😉

Comments (3) »

Moving Dance

Quem me acompanha provavelmente se lembra dos problemas pelos quais passei com a família monstro e da minha saída às pressas pra casa da Jéssica. Também deve saber que me tornei o novo morador daquele flat, enquanto as gurias que lá habitavam mudaram-se para outro lugar.

Acontece, no entanto, que o endereço referente as minhas correspondências há dois meses não é mais o mesmo daquele inferno. Por muita sorte nossa, mudamo-nos – eu, Dartanhan e André – para um apartamento mais ao centro e muito maior. E isso tudo praticamente pelo mesmo valor.

mudança… de novo

Mas as coisas não são tão simples como parecem ser. A mudança não foi uma simples questão de procurar um lugar mais habitável, foi uma questão de sanidade mental.

Primeiramente porque, contrariando nossas expectativas, um pequeno flat de dois quartos não fora suficientemente espaçoso para abrigar cinco homens. Em segundo lugar, porque os vizinhos eram completamente loucos.

A tortura começava pelo barulho. Sucessivas mudanças e trocas de móveis de lugar no flat acima do nosso, justamente quando mais precisávamos dormir.

Depois, vinham as brigas homéricas do casal. A criança de apenas alguns meses, filha da dupla, nunca deixou seu choro atravessar as paredes da casa. Já os gritos e bate-boca da fera e da fera (sim, porque a bela só em conto de fadas) possuíam níveis que superavam essas barreiras.

No entanto, a pior parte não era quando eles brigavam, mas quando eles… digamos, se amavam. E como se amavam alto! Uma coisa totalmente desnecessária de se ouvir. Ainda bem que eu trabalho na madrugada, o que poupava meus ouvidos na maioria das vezes.

Sobre a obesa da vizinha da frente nós não tivemos muito do que reclamar porque ela não era tão inoportuna como os demais. O principal problema dela era apenas sua feiúra. Só de olhar pra cara da coitada já dava um desânimo, o que praticamente estragava a alegria do dia.

O próximo vizinho, era o pior. Pra começar que ele miava o dia inteiro. Não, isso não é uma metáfora. Ele miava, literalmente. E como se não bastasse ser louco, o cara ainda era ladrão. Todo santo dia, lá vinha ele e seus comparsas carregando várias bicicletas, que no outro dia já haviam sido – creio eu – vendidas.

Aliás, ele é o principal suspeito do assalto que ocorrera em nosso apartamento logo que nos mudamos para o local. Na verdade, sempre tivemos uma pequena desconfiança, a quase certeza veio umas duas semanas antes de sairmos de lá.

Eu estava viajando (fatídico!) e o resto dos guris que moravam comigo estavam prestes a dormir. Nesse momento algum ser inoportuno bate na porta por repetidas vezes. Nenhum deles realmente se coça pra atender, certamente porque sabiam que era um dos loucos. E dar papo pra louco, em inglês, em plena madrugada, não é algo que chame atenção das pessoas de uma forma geral.

Foi quando esta pessoa muito inteligente se dirigiu até a janela de um dos nossos quartos e tentou abri-la (morávamos no térreo), pra surpresa dos guris. Quando o jumento do vizinho percebeu que havia gente no apartamento, saiu correndo e se trancou no apartamento dele.

Ao invés de miar, o cara deveria zurrar, de tão burro que é. Naquele mesmo dia mais cedo, ele havia jogado uma lata de tinta pela janela da sua casa, que ainda encontrava-se fresca pela noite. Certamente que os passos dele ficaram marcados, por causa disso, desde a cena do crime até a porta da casa dele.

Os guris logicamente chamaram a polícia irlandesa – mais conhecida como Garda. Mas esses também são incompetentes e não fizeram nada. No fim das contas o cara ficou limitado a não sair de dentro do flat dele, caso contrário ele seria preso. E semanas depois, segundo nos informou o Landlord (dono da casa), ele seria despejado.

Mesmo assim, unimos o inútil ao desagradável e partimos dessa pra uma melhor. Até porque, mesmo com o vizinho louco sobre controle, ainda tínhamos o problema do barulho com as duas feras. E esse arranca rabo deu história pra contar.

Comments (6) »

Belfast, Northern Ireland

Foi uma das viagens mais impulsivas e não programadas da história. “Vamos, no próximo domingo, alugar um carro e viajar?”, “Vamos! Oba! Yupi! Uhuuul!”.

No sábado a noite, então, lá estava eu na casa da Jéssica. Sem carro alugado e nem roteiro programado, apenas com algumas vagas pretensões na cabeça. Entramos no site de aluguéis de carros e agendamos o automóvel mais conveniente para nossas ambições abstratas. Obviamente que, devido ao horário, as opções eram limitadas, assim como as nossas capacidades observatórias.

No dia seguinte, ao retirar o carro, percebemos um pequeno detalhes que não fora por nós considerado no momento do agendamento. O câmbio automático. (trovões)

Tá, coisas automáticas em gerais são muito cretinas e só vieram ao mundo pra facilitar a vida da gente. Mas eu NÃO SABIA como, sequer, mover o carro – a não ser empurrando. Mas essa não era uma opção, porque eu sigo a filosofia da marca Tigre e fujo do mico sempre!

A única opção que me veio a cabeça foi procurar o manual de instruções do veículo (santo manual) e aprender na marra, lendo e testando. Deu certo! Claro, que se o caso fosse o contrário, e eu estivesse partindo de um carro automático para um manual, a situação não seria resolvida tão facilmente. Reafirmo minhas palavras ao dizer que a automatização é uma santa dádiva da tecnologia.

Ainda com aquele frio na barriga, arranquei o carro e parti para mais uma aventura na mão contrária. No entanto, a mão contrária não era mais um problema nessa altura do campeonato. Já o pé… esse sim causou complicações.

Pra dirigir em circunstâncias normais a gente usa o pé direito nos pedais do freio e do acelerador e o esquerdo no pedal da embreagem. Pois num carro automático o pé esquerdo fica inutilizado. Daí que veio a pergunta chave do problema: “ONDE RAIOS EU ENFIO ESSE PÉ, MEU DEUS?”.

Como dirigir é mais reflexivo do que pensante, continuei utilizando os dois pés. Um no freio e o outro no acelerador. Agora imaginem vocês o estrago que um pé esquerdo não faz no pedal do freio, ainda mais em um freio sensível que nem o do carro que havíamos pego. Até o momento em que me dei conta do erro cometido, as gurias já tavam apavoradas, com a cara grudada no pára-brisa. Eu, pra variar, só ria. Acho que quando fico nervoso, me desato a rir.

Como da última vez, com o incidente do pneu, o furacão foi passageiro. O resto da viagem foi tranqüilo.

Teoricamente, dentro da nossa confusão mental e literal falta de destino, havíamos escolhido Connemara. Não me perguntem o que de bom tem pra ver lá porque eu só tava seguindo o fluxo. De qualquer forma, mudamos os planos logo no inicio da viagem (como de costume) e nos dirigimos para a capital da Irlanda do Norte, Belfast.

O motivo dessa mudança foi o dinheiro, ou a falta dele. A lição moral dessa viagem foi: “não façam as coisa de última hora, crianças. Sai caro!”. Ir para Belfast significava diminuir o tempo de estrada pela metade, e consequentemente, diminuir consideravelmente o consumo de gasolina.

Chegamos por volta de uma da tarde na cidade. Rodamos bastante até encontrar um estacionamento não pago, e não limitado a 60 minutos.

Pernas em movimento, e cabeças expostas a fina chuva que caia, saímos a descobrir o que Belfast teria a nos oferecer. Fomos ao City Hall (prefeitura), ao Belfast Wheel (muito parecido ao London Eye), ao Albert Clock (oi? Big Ben miniatura?), e a outros diversos monumentos must see da cidade.

O lugar é bem diferente de Dublin, apesar da grande relação entre os países. Visto os monumentos e a estrutura da cidade é clara a influência Britânica em Belfast. A título de curiosidade, até a moeda local é diferente. Lá se usa a Libra, assim como na Inglaterra. Mas, até onde fiquei sabendo, essa moeda só vale por lá. Tanto, que a Libra Irlandesa é diferente da Inglesa.

Tive até que guardar uma nota. Mesmo que 10 pounds me custem quase 20 euros, que me custam, em reais… bom, nem vale a pena pensar nisso.

Seguindo o percurso, caminhamos alguns quilometros (LITERALMENTE) até encontrar o dique onde foi construído o tal do Titanic. Assim como a Jéssica não sabia, assim como a Dani não sabia, e assim como todo o resto do mundo não sabe, eu também não sabia que esse navio era Irlandês.

Aliás, piada pronta, né! Irlandês bebendo pints e pints de Guinness e construindo navio? Não é a toa que deu no que deu…

Nada de grandes coisas pra se ver por lá. Apenas um mega ultra tunder giga buraco onde, segundo as placas, caberiam 26 ônibus londrinos enfileirados.

Eu e a Raquel caminhamos ao redor do dique, e aí sim, pudemos realmente perceber o quão grande era o navio. Nossos olhos nos enganam algumas vezes, mas o tempo considerável que levamos para chegar até a ponta onde há contato com o mar, não poderia nos enganar.

É impressionante o que o homem é capaz, não? Primeiro um dique dessa magnitude para depois construír um navio. Imagina o meu deslumbre no dia em que eu visitar as pirâmides!

Então, ali na ponta da estrutura de concreto, filosofando sobre o assunto, me deparo com uma placa que destruiu com meus pensamentos: “cuidado, estrutura instável”. Oi? Como assim estrutura instável? Interessante que a leitura da placa é feita quando se está DO LADO da estrutura instável.

Valeu pela dica, tô voltando, bye, bye!

Como eu havia dito, coisa de Irlandês bêbado.

Para finalizar a viagem fomos num shopping maravilhoso, arquitetonicamente diferente. Pena que já era tarde e a maioria das lojas estavam fechadas. Pelo menos o Mc Donald’s ainda estava aberto e, para minha felicidade, aceitava Euro! 🙂

Finalmente, fomos ao parlamento, e ao Belfast Castle. Esse último, um dos prédios mais bonitos que vi nos últimos tempos. Não sei se foi pelo clima noturno somado a vista iluminada da cidade abaixo ou se pela estrutura em si, da escada em caracol, dos jardins bem cuidados e da complexidade arquitetônica. Mais parecia um castelo de conto de fadas.

Na volta, pra variar, o GPS bêbado tinha que se manifestar contrário a nossa vontade de voltar pra casa, e nos fez dar zilhões de voltas ao entorno de Belfast. Salvem as placas, porque embora a tecnologia nos dê muitas dádivas, ela também nos dá muitos estresses. E nada como um bom e velho sistema mecânico-manual pra nos salvar dos perrengues quando a tecnologia cisma em não funcionar.

Das estradas mal sinalizadas (sem olho de gato, como pode?) para Dublin, e em Dublin para a cama – montada provisóriamente no chão, na casa da Jejé, depois de um cansativo dia de viagem.

Comments (12) »

Flat Chat

Contexto: janta coletiva com o pessoal aqui de casa ontem a noite. Assuntos aleatoriamente idiotas.

Ismael: cara, se no verão eu já tô sentindo um pouco de frio aqui, imagina no inverno. Esses aquecedores não resolvem nada! Vou ter que dormir abraçado no aquecedor…
Todos: HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!

Contexto: André, eu, Dartanhan e Fernanda no quarto. Eu na parte superior do beliche, Dartanhan e Fernanda  na parte de baixo, e André na cama de solteiro. Eu e André conversando no MSN.

Francisco Lima diz: eles tão trepando aqui
Francisco Lima diz: a cama tá sacodindo
André Luiz diz: UHAUEHAUEHAUEHAUEHA

Francisco Lima diz: tão cochichando
André Luiz diz: MEU, SE ALGUÉM LEVANTAR EU VOU RIR
André Luiz diz: NÃO AGUENTO, TÔ QUASE RINDO AQUI
André Luiz diz: UAHEUAHEUAHEUAHEA

Francisco Lima diz: me lembrei do guri dizendo que ia dormir abraçado no aquecedor
Francisco Lima diz: hahahahahahahahaha
Contexto: André Luiz e Francisco Lima riem muito alto! Dartanhan levanta e reclama.

Contexto: barulhos de ronco!

André Luiz diz: quem tá roncando?
Francisco Lima diz: um dinossauro
André Luiz diz: UAEHUAHEUAEHAUEHAUEHUA

Contexto: André Luiz ri MUITO alto!

Francisco Lima diz: hahahahahah
Francisco Lima diz: vais acordar o dinossauro, meu
Francisco Lima diz: imagina se é a guria que ronca assim
Francisco Lima diz: que monstra

Contexto: André Luiz gargalha! Dartanhan acorda.

Francisco Lima diz: viu, acordou!

Contexto: Francisco Lima e André Luiz riem alto. MUITO alto! Dartanhan reclama novamente, ri junto, apaga a luz e deita-se.

Sem graça, estragou a diversão. Fim de noite.

zzzzzzzzzzzz

Comments (5) »

Updates

Hoje resolvi escrever de maneira diferente. Como não tenho tempo para ficar postando no blog toda hora, embora tenha várias coisas pra comentar, decidi fazer um apanhado geral dos acontecimentos. Coisa grande… Queima de cartucho total, eu sei, but… whatever!

Abbey College

Tenho certeza que muita gente vai chegar ao blog através do google pesquisando por essa palavra. Abbey College é o nome da escola onde estudo. É boa? Não! É ruim? Também não!

Aprender inglês na Irlanda, uma vez no país, passa a ser um objetivo em segundo plano. A grande maioria das pessoas vem pra cá pra estudar inglês, e a grande maioria, depois que arranja emprego, começa a redirecionar suas metas. Tem gente que nem a aula vai mais.

Primeiro, porque aqui se convive com MUITO brasileiro. Inglês só no trabalho e nas lojas. Segundo, porque o inglês Irlandês é horrível. É difícil de entender, é errado… bem de interior. E terceiro, porque as pessoas preferem trabalhar pra juntar dinheiro e viajar, ou rembolsar o investimento feito com o intercâmbio.

Essa mentalidade torna o ensino um problema. Muita gente vai à aula só pelo visto – uma vez que para renová-lo é necessária uma presença superior a 85% -, e isso acaba influenciando na forma com que os alunos encaram a aula e, na forma com que a escola encara o interesse dos alunos.

Mas isso depende muito. Depende dos teus colegas e do andamento da aula, e depende do professor. Até o momento tive sorte nesse aspecto. Já passei por três salas de aulas diferentes. Comecei no Intermediate, depois passei pro Upper Intermediate, e agora já tô no Advanced (onde eu deveria ter começado).

A primeira professora era boa, mas era uma égua que só dava coices. Êta mulher bem grossa. A segunda professora era muito simpática. Até demais. Sentia como se estivesse sendo alfabetizado. Agora, na terceira aula, o andamento tá bem melhor. O professor é meio novato no que diz respeito a dar aulas, mas é bom. E a dinâmica de aula é muito melhor. Antes eu terminava os exercícios e ficava esperando horas até que os professores dessem seguimento ao conteúdo, agora, o ritmo é bem mais acelerado e o nível mais puxado.

A estrutuda da escola é boa! Tudo novo e bem cuidado. As aulas são todas guiadas através de apresentações em Power Point. Até o momento recebi materiais novos sempre que mudei de nível e, pelo que me consta, são livros de qualidade.

Um problema na escola é a falta de Internet. Há somente DOIS computadores com Internet para os alunos. Obviamente que nunca estão disponíveis. Outras escolas possuem salas com trocentos computadores e/ou sinal wireless. Nada que comprometa tanto o ensino. Mas, no mínimo, é um retrocesso.

Work

Há um tempo atrás comentei sobre novidades no trabalho, “promoções” (entre aspas) etc. O que aconteceu foi o seguinte: éramos 12 contratados temporários para 3 vagas permanentes. Eu fui um dos escolhidos para uma dessas vagas juntamente com o Guto, o outro pelotense que trabalha lá, e o paquistanes bizarro.

Quando soube que iria ser contratado, aceitei o convite com a vontade de negá-lo. Não que o trabalho seja difícil, bem pelo contrário. Mas é alienante. E trabalhar de madrugada não é uma das melhores opções (apesar de pagar melhor). De qualquer maneira, é esse trabalho que tem pago meu aluguel, minhas viagens e minha futura mochilada. Então tá ótimo!

Mas ainda hei de encontrar um trabalho na área de comunicação!

Outra coisa que me deixou aflito com relação ao trabalho foi que, quando me chamaram, eu não sabia se o Guto havia sido chamado também. E isso era um problema por dois motivos: 1) porque ele havia me indicado e eu me sentiria super mal se eu fosse contratado e ele não; 2) porque ele já estava aqui há três meses e eu apenas há três semanas. Ainda bem que no final das contas ambos fomos contratados (e não me perguntem os critérios dessa seleção porque os 9 restantes tinham BEM mais experiência que nós na arte de arrumar prateleiras).

Ainda no que diz respeito a “promoções”, eu e o Guto fomos chamados para um treinamento de Caixa. Aprendemos como se mexe naquelas bodegas, recebemos material para ler, mas até agora necas de trabalhar sentadinho no bem bom das máquinas registradoras. Dão o doce pra criança e depois tiram! Isso não se faz!

Home Sweet Home

Aluguel aqui não é barato. Um apartamento pequeno de dois quartos não sai por menos de mil Euros. No momento moro num apartamento nesses padrões, e divido-o com mais quatro brasileiros. A coisa é apertada, mas dá pra viver tranquilamente.

Depois de ter me mudado provisoriamente para o apartamento da Jéssica, imediatamente comecei a procurar um cantinho para chamar de meu. Nesse meio tempo, o estresse rolava solto no club da Luluzinha. As gurias, homemates da Jejé, estavam em pé de guerra. Problemas de convivência. Tipo, disputa do quarto azul versus o quarto amarelo, sabe? Daí então eu enxutei elas pra fora e fiquei com o apartamento.

Tá, não foi bem assim! Mas eu quero contar a minha versão mais emocionante dos fatos. 🙂

Elas se mudaram, eu continuei aqui, e pra cá vieram outros que conheci na minha escola. Um de Santos, um do Mato Grosso e dois do Piauí (os dois últimos já se mudaram, dando espaço a outro piauiense e um catarinense).

E embora essa muvuca de pessoas, sou eu que ponho ordem nesse chiqueiro. Tá, outra mentira. Mas sou eu o chato da casa. Eu que incomodo pela louça lavadinha e guardada. Eu que colo bilhetes pela casa do tipo “puxe a descarga, meu filho! Meu nariz não vem com Bom Ar embutido, não!” Coisa que, aliás, adooooro fazer! hehehe

“Ó! Toma aí, deixaste tuas coisas jogadas! Guarda!” Cara, e como eu adoro ser chato! 🙂

Aliás, grandes e magníficas descobertas. Além de ser um chato de plantão, sou um ótimo dono de casa! Estou, paulatinamente, aprendendo a cozinhar. Lavo, passo; limpo banheiro, cozinha e apendices. Não consigo ficar parado. Coisas que só a criação da Dona Mirian (minha mãe) faz por você! hahaha

Mas, como tudo nem sempre são flores, algo de ruim tinha que acontecer. No fim de semana em que passei em Londres, fomos assaltados. Sim! Esse tipo de coisa não acontece só no Brasil, não! Entraram no nosso apartamento e roubaram uma televisão, um video game e uma câmera digital. Tudo do mesmo guri! Puta prejuizo! Pensamos em nos mudar, mas acabamos decidindo por continuar aqui. Só que agora a atenção tá redobrada.

A desconfiança é direcionada aos vizinhos. A casa onde moramos, na verdade não é bem uma casa. É um prédio que acomoda cinco flats, cinco apartamentos. Nos três meses em que as gurias moraram aqui, nada similar havia acontecido. Duas semanas depois de nos mudarmos com o equipamento, pimba! Fomos roubados. Alguma hipótese melhor?

De qualquer maneira, agora a situação tá mais tranquila e os olhos mais abertos. Esperamos que o popular ditado seja verdade (pelo menos pra nós), e que esse raio não caia duas vezes no mesmo lugar, porque ficar se mudando não é legal. Além do mais, eu gosto dessa zona, cheia de árvores e perto dos transportes públicos. Mesmo sem super mercado (barato) por perto já me basta.

Travel

Um dos sonhos da minha vida sempre foi fazer uma mochilada pela Europa. Agora, morando na Irlanda, e juntando algum dinheiro, estou a poucos passos (ou meses) de conseguir realizar esse sonho.

Pra inicio de conversa, já fui pra Londres e já fiz road trip na Irlanda. Claro que isso não me basta. Os road trips vão continuar na primeira oportunidade. E as viagens então… Já estão meio encaminhadas.

Agora, final de julho, estarei indo para Paris. Mais um sonho prestes a ser realizado! E em novembro, passagens já adquiridas para Liverpool, no mesmo período em que vai acontecer por lá o Europe Music Awards – uma premiação da MTV para a música européia (e mundial também).

E nesse mesmo período, não sei se antes ou depois de Liverpool, estou programando minha mochilada pela Europa. Minhas aulas terminam inicio de outubro. Até lá, já vou ter juntado uma boa grana pra isso. O roteiro já está em processo inicial. Assim que estiver com ele pronto, as passagens compradas, e o o cronogrâma montado, falo mais sobre isso.

Urtiga

Urtiga é uma palavra que umas colegas de colégio utilizavam para rotular uma pessoa jeca, uma pessoa caipira. Por aqui, estou começando a achar que sou um grande urtigão! Há certas coisas tão banais, mas ao mesmo tempo tão fora da minha realidade, que as vezes sinto como se eu fosse um caipira oriundo do interior do vilarejo onde o diabo perdeu as botas.

Esses dias, voltando do trabalho de táxi, passei por uma dessas situações. Antes, quero abrir um parenteses para explicar que essa situação do taxi é fora do comum, mas, quando somos liberados mais cedo do trabalho, e não há opções de transportes públicos, essa se torna a única saída viável.

Explicado, voltemos!

Embarco no taxi, e procuro pelo taxímetro. Não vejo NADA! Começo a duvidar naquele momento da seriedade daquele motorista. “Será que ele é credenciado pelo órgão regulador dos taxistas da Irlanda? Será que ele vai me cobrar fora dos padrões comerciais normais? Ai, meu Deus? CADÊ a PORRA do TAXÍMETRO?”

Aqui é assim. Cada desespero é potencializado em mil. Ainda mais quando o assunto é dinheiro. Sabe-se lá o que passa pela cabeça dessa gente maluca.

Daí, mais calmo, e com a cabeça mais limpa, olho no espelho retrovisor, e vejo um holograma com uns números em vermelho: fare, time, tax… Comecei a rir alto! COMO ASSIM? QUE COISA MAIS TECNOLÓGICA É ESSA? “Já uso esse sistema há uns cinco anos”, me disse o motorista. Ri mais… de mim mesmo, lógico.

Polish

Se tem uma coisa que irrita aqui são os ploneses. Eu já comentei sobre a raça uma vez no blog. Mas eles são tão insuportáveis que merecem novamente a minha (e a sua) atenção.

Obviamente não vamos generalizar. Mas a maioria dos poloneses com quem trabalho roubam produtos no supermercado, conseguem ser mais grossos e estupidos que os irlandeses, são bipolares e têm um vocabulário limitado a palavra “kurva” (que eu não sei se escreve assim).

“Kurva”, pra quem não sabe, significa a mesma coisa que “fucking” ou, talvez, “essa porra”! “This fucking job”, “Essa porra de trabalho”. Ou, no sentido mais literal, “puta” mesmo! Enfim… É um palavrão! E é a palavra que mais vais ouvir um polonês falar ao encontrares com um: “kasptivisk karyunucy kurva sanibshy, Kurva pushiasky kurva, kurva!”.

Resumindo, eles me irritam. 🙂

The End

De uma maneira resumida e bem geral, esses são alguns aspectos da minha vida na Europa. Planos, novos acontecimentos e super reviravoltas nos próximos capítulos, não perca! 😉

Comments (8) »